Sim, ainda existe tráfico humano em Portugal

2425484e9eb99269c67b1e56f3124447

No passado dia 11 de Agosto, uma operação de controlo do SEF na zona de Beja acabou com uma dezena de trabalhadores agrícolas resgatados.

A denúncia foi feita pelas próprias vítimas do que seria mais um esquema de tráfico para fins de exploração laboral, em pleno século XXI e num suposto país desenvolvido da União Europeia como é considerado Portugal. A investigação está agora a cargo do Ministério Público.

Iludidos com falsas propostas de trabalho, estes trabalhadores, “recrutados” nos seus países de origem foram trazidos para Portugal com a promessa de uma melhor qualidade de vida. Ao chegarem, confrontados com condições degradantes, dão por si envolvidos num esquema de tráfico e de escravatura, onde são obrigados a ficar sob o controlo dos supostos patrões, responsáveis por determinar os horários de trabalho e quais as tarefas a executar, não lhes sendo dada qualquer liberdade. Em troca, não recebiam um salário, mas sim pequenas quantias de dinheiro que iam usando para sobreviver e eram chantageados com a ideia de que não teriam outra solução que não a de se sujeitarem, já que nunca iriam conseguir “regularizar” a sua situação no país.

Trabalho que, para além de ilegal por não ser declarado, é acima de tudo desumano, sujeitando os trabalhadores a serem prisioneiros do seu próprio ofício numa espiral de vulnerabilidade e de precariedade da qual não conseguem sair, dada a sua condição de imigrantes. Foi também para este tipo de situações que foi criada a Lei 55/2017 de 17 de Julho, a qual veio melhorar os mecanismos de reconhecimento do contrato de trabalho (previsto na anterior Lei 63/2013), dando legitimidade ao Ministério Público para agir e reconhecer a existência de contrato de trabalho perante situações como esta de trabalho não declarado.

Ver notícia aqui.

Facebooktwittergoogle_plusredditlinkedintumblrmailby feather