SITE EM REESTRUTURAÇÃO

precariosinflexiveis Setembro 4, 2014

Screenshot from 2014-09-04 11:02:16De acordo com um estudo da Mercer citado pelo Público, em 2012, 2013 e 2014 a política salarial das empresas mudou e os salários desceram para todos os níveis hierárquicos. No entanto, em 2014 os cargos de direção e administração receberam mais 3,31%, já os operários receberam menos 1,41% e os comerciais menos 0,14% que no ano anterior. Os gestores já se aumentaram, mas continuam a baixar os salários dos seus trabalhadores.

A aceleração da desigualdade de rendimentos é uma marca distintiva das crises económicas. Quando o emprego começa a escassear e o desemprego aumenta os salários, por via dessa pressão, diminuem. E, não raras vezes, essa redução dos salários alimenta a recessão em que a economia se encontra e agrava o buraco. É a armadilha em que a austeridade nos meteu.

No caso atual, existiram mesmo políticas ativas de desgaste do valor do salário implementadas por Passos Coelho e Paulo Portas, como o corte nos salários, a diminuição do valor do trabalho extraordinário, o corte nos subsídios de desemprego, a redução drástica da contratação coletiva e a precarização das relações laborais. Hoje, esses resultados estão à vista no desemprego real, na emigração e na pobreza.

Paradoxalmente, em alturas de crise os salários dos cargos de topo das grandes empresas tipicamente não diminuem e, como se prova aliás por este estudo, até aumentam.

Facebooktwittergoogle_plusredditlinkedintumblrmailby feather

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*