SITE EM REESTRUTURAÇÃO

precariosinflexiveis Novembro 23, 2016

2

Recebemos este testemunho, que aqui reproduzimos na integra:

«Estamos constantemente a ouvir falar de startups e empreendorismo, mas existe um lado negro de que não se fala: o lado da precariedade.

A Chic by Choice, especialista em aluguer de vestidos de alta costura, é uma dessas startups maravilha que se farta de ganhar prémios (o prémio de melhor startup europeia na área da moda, por exemplo) e receber investimento, mas que mantém os seus cerca de 20 trabalhadores em situação precária: cerca de 5 são estágios e o resto está a prazo, fora as duas fantásticas empreendedoras. E o facto de ter tido um crescimento de 200%, no último trimestre de 2015 e de continuar a crescer, não abriu olhos para a necessidade de contratar mais empregados para fazer face ao aumento de volumes de trabalho.

Um pouco por todo o lado no mercado laboral, mais trabalho e responsabilidades acrescidas não se reflectem em aumento salarial ou revisão dos termos do contrato. Um costume que tem vindo a crescer e que foi adoptado por muitas startups, onde esta se inclui. Na Chic by Choice, podes tentar negociar, mas podem sugerir-te um aumento não declarado, pago “por debaixo da mesa”. Aqui, os contratos que não se alteram, nem se actualizam e podem nem ser assinados entre as partes. É também possível que existam irregularidades com os seguros de acidentes de trabalho e seguros de saúde. Horas extra por pagar fazem também parte desta realidade. Não existe mapa de férias e o que existe é pressão: ou para não tirar férias; ou para dar uma mãozinha nas férias; ou para trabalhar mesmo quando se está de baixa. Quando neste último caso, a baixa depende de ordem médica e até é paga pelo Estado.

Num ambiente assim, é fácil virar os trabalhadores uns contra os outros, alegando que as férias ou a baixa de um sobrecarrega os outros colegas. Isto só serve para dividir os trabalhadores e colocá-los sobre pressão extra.

Esta mesma startup, feita de lucros ganhos à custa da exploração laboral e que tanto investimento português recebeu vai agora mudar uma parte do seu negócio para o Reino Unido, porque é mais vantajoso. Prática comum esta de sair de Portugal ou de vender a um dos muitos investidores estrangeiros que encaram este negócio do empreendorismo como um casino onde se aposta para ganhar.

Esta e tantas outras empresas crescem adoptando regimes laborais precários e que em nada valorizam os trabalhadores. Neste mundo das startups ninguém denuncia injustiças ou irregularidades, porque o empreendorismo é bom e recomenda-se; e porque o medo de ficar sem trabalho é maior num país em que há mais procura que oferta.

No caso, esta startup como tantas outras que existem em Portugal beneficiam de apoios e incentivos de fundos nacionais e europeus e continuam a beneficiar mesmo sem cumprir as leis e as regras laborais. Alguma coisa tem que mudar, se as empresas não mudam, mudamos nós!»

Facebooktwittergoogle_plusredditlinkedintumblrmailby feather

2 thoughts on “O lado negro das Startups. Estudo de caso: Chic by Choice

  1. Start-ups? Um mundo que vendem como cor-de-rosa.

    Entendo que o crescimento de uma empresa, por vezes nem os próprios empresários/empreendedores consigam tirar salário, mas estão a construir algo para eles.

    Trabalhadores para ajudar na construção de uma empresa para eles? Sim, siga arranjar uns ‘estagiários’, se possível estudantes ou recém-formados. Vem cheios de vontade de exercer a área, estão habituados a noitadas a estudar.

    Trabalhei numa start-up por mais de um ano e assim me tiraram a vontade e o animo que tinha de exercer a minha area.
    Os primeiros meses eram pagamento, “vestir a camisola”, depois veio um salário de 250-300€ (debaixo da mesa claro) por um part-time. Part time? das 9 às 19, 20,21,22… Era por onde desse.
    Férias? “Nesta fase tão importante do negócio vais pedir férias? dois, tres dias? Não, isso é muito desculpa lá. “. “O feriado é para trabalhar? claro, se não vieres, os teus colegas tem o dobro do trabalho, já pensaste?”
    “estás doente? foste operado? podes fazer então o teu trabalho por casa”

    Ouvi muitas vezes estas frases, mas jovens desesperados por emprego comem e calam… Até um dia.

    Infelizmente são os ‘maus empregos’ no inicio de carreia que tornam estes jovens altamente formados e capacitados em profissionais nervosos e acima de tudo afeta-lhes a motivação profissional por uns largos anos. No fundo sentimos que é culpa nossa, trabalhar é lixado, somos um custo para as empresas. direitos laborais é um luxo do tempo dos teus pais.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*