SITE EM REESTRUTURAÇÃO

precariosinflexiveis Março 14, 2015

10619-ofpevyQuando rebentou a crise das dívidas soberanas na zona euro foram logo apontados dedos aos “preguiçosos” do Sul da Europa que não trabalhavam o suficiente e que tinham vivido acima das suas possibilidades.

Mas as estatísticas dizem o contrário e, de facto, são os “paralíticos” (usando a expressão de José Rodrigues dos Santos) dos gregos e os preguiçosos dos espanhóis e portugueses que mais trabalham na Europa.

Bem abaixo da média europeia estão os alemães ou os holandeses…

Relembre-se que o governo de Passos Coelho e Paulo Portas também quis punir os portugueses que trabalhavam pouco e retirou 4 feriados sem aumento de salário e ainda tentou aumentar 30 minutos por dia de trabalho. Mas falhou neste último intento por causa da mobilização das pessoas contra a medida.

Ver mais aqui.

Facebooktwittergoogle_plusredditlinkedintumblrmailby feather

10 thoughts on “Que trabalhadores europeus trabalham mais horas? Descobre aqui

  1. Sr Teodoro, quem está no local de trabalho sem produzir, só pode ser chefe ou engenheiro… que recebem os melhores salários e só tem como função de lixar a cabeça e pressionar quem produz, em troca de um ordenado de merda. (desculpem o vernáculo).
    Trabalhei para uma das maiores empresas de Portugal, onde os trabalhadores são pressionados, são chantageados para fazer horas extras, para receber o tal ordenado e no final do terceiro contrato, rua. Mas a culpa não é das grandes empresas! É da classe laboral que se acomodou, foi deixando e permitindo que isto fosse acontecendo e chegar onde chegou! Tal como o modelo de política deste país. Vivemos numa democracia TOTALITÁRIA, onde são os srs.da gravata que mais ordenam. O povo perdeu a palavra e a coragem!

  2. Sr Teodoro, quem está no local de trabalho sem produzir, só pode ser chefe ou engenheiro… que recebem os melhores salários e só tem como função de lixar a cabeça e pressionar quem produz, em troca de um ordenado de m*****. (desculpem o vernáculo).
    Trabalhei para uma das maiores empresas de Portugal, onde os trabalhadores são pressionados, são chantageados para fazer horas extras, para receber o tal ordenado e no final do terceiro contrato, rua. Mas a culpa não é das grandes empresas! É da classe laboral que se acomodou, foi deixando e permitindo que isto fosse acontecendo e chegar onde chegou! Tal como o modelo de política deste país. Vivemos numa democracia TOTALITÁRIA, onde são os srs.da gravata que mais ordenam. O povo perdeu a palavra e a coragem!

  3. É isso mesmo Teodoro! concordo plenamente.
    Sentadinho e sossegadinho á espera da hora para ir para casa.
    se fizesse mais em menos tempo vinha mais cedo.
    é uma realidade inflexivel.

  4. O que eu vejo é gente (felizmente cada vez menos) a ocupar lugares que designam por “emprego” que não fazem nada de produtivo. É o chamado “ocupador dum posto de trabalho”.
    Enquanto não liberalizarmos completamente os despedimentos e acabarmos com esta treta do emprego, não iremos a lado nenhum!
    Num futuro a muito curto prazo seremos todos prestadores de serviços e essa verdadeira tanga que é o “emprego” irá seguramente acabar!

  5. Quem está no local de trabalho sem fazer nada ou é político ou certa gente da função pública porque no privado não faltam chefes para visionar e pressionar se necessário

  6. As coisa so estao assim porque existe demasiada acessoria para o nivel de produção. Mas nao fui eu que abri as vagas para os cursos superiores para depois estar desempregado. Tambem nao fui eu que coloquei postos de trabalho arduo a ganhar o salario minimo. No entanto toda a gente quer viver e so meia duzia que estao la em cima e que nao deixam porque tem a filosofia de eu ” trabalhei arduamente” para la chegar. Os prazos em tudo tendem a encortar o que cada vez mais exige maior esforço em menos tempo. A vida é uma constante aprendizagem, nao se pode meter seculos na cabeça dum individuo a espera que absorva tudo sem pestanejar e ficar a espera que produza resultados. Vive se sufocadamente, as grandes cidades abarrotar as vilas especialmente boas para se viver mas sem emprego nessas zonas. Ou temos o 8 ou o 80.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*